Educação 2.0

Os estudantes demitiram os professores. Ainda bem! Bem vindos à educação 2.0.

Por: Júlio Resende

O youtube é maior do que a USP, UFMT, Havard, Sobornne e todas as outras juntas. São 1 bilhão de usuários colaborando, todo mundo ensinando todo mundo. Mário Sergio Cortela certa vez disse que se um médico do século 17 entrasse num hospital atual, ele não entenderia nada por causa de tantas mudanças tecnológicas. No entanto, se um professor daquela século entrasse numa escola do século 21, ele a encontraria praticamente igual. Os professores continuam com seu monólogo eterno e os estudantes calados, obrigados a repetir informações, pouco obedientes e decorando coisas para cuspir na prova e esquecer logo em seguida.

Na sala dos professores, além estarem quase todos enfermos, é cada vez mais marcante aquele clima saudosista de saudade dos estudantes de antigamente. Ainda bem que eles não querem obedecer mais. Segundo o historiador Eric Hobsbawm, a sociedade evoluiu nos últimos 60 anos em termos tecnológicos e de informações o que tínhamos evoluído em 3000 anos. Diante disto, é maravilhoso constatar que os alunos mudaram. Quem não mudou ainda foram muitos professores e principalmente as escolas e as universidades. Os estudantes já nos demitiram, pois no youtube tem os melhores da Terra falando sobre o mesmo assunto. Os mestres do dia a dia continuam repetindo aulas entendiantes durantes semanas, meses ou anos. Os aprendizes não aguentam mais power point. Se você, professor, não concorda com estas reflexões, basta matricular-se em um curso tradicional e sentirá na pele o sofrimento proporcionado pela pedagogia tradicional.

Paulo Freire estava certo, a pedagogia necessita de mudanças drásticas. Enquanto o conteudismo reinar nas escolas, o youtube será melhor do que elas. Precisamos deixar para trás o monólogo eterno e o fordismo escolar que pretende formar apertadores de parafuso. Enfim, é hora da educação do diálogo, da problematização e de dar aos estudantes autonomia de decidirem junto com seus mestres como querem aprender. Potencializados pela internet, eles estão agora escolhendo o quê aprender, quando e de que forma. Principalmente, eles estão escolhendo os próprios mestres e demitindo os conteudistas das salas de aula.

Tenho um projeto chamado Educação 2.0: todos somos professores, em que os estudantes produzem vídeos para aprender e ensinar na rede colaborativa mundial. Além disso, ao invés de fazerem provas, eles tem a oportunidades dar aulas sobre o assunto que quiserem. Nunca assisti a uma aula ruim quando um estudante fala sobre o que ama. Me tornei, assim, um aprendiz apaixonado de suas aulas.

Assista aos vídeos feitos pelos Estudantes neste link.

 

 

Por Júlio Resende

Por Júlio Resende

Anúncios